Status de vida: incerto

Escrevo-vos da Nova Zelândia. O país que escolhi para permanecer neste tempo sem precedentes. O país que, de todos os lugares do planeta, me sinto mais segura política e socialmente.

Escrevo-vos da minha casa, em Wellington. Aqui estou recolhida há 11 dias. O comércio, restauração e retalho fecharam. As ruas estão desertas. Um silêncio ecoa por entre os prédios de uma cidade que outrora era vibrante e energética.

Os dias têm passado devagar, como se os relógios do mundo decidissem que estava na hora de abrandar a contagem do tempo. Donos de si, esta grandeza quer transgredir a barreira da Ciência e mostrar ficcionismo num mundo que já quer acreditar em tudo. Encontrar esperança numa quimera. Desespero.

Já dei por mim a olhar para o vazio durante horas. Já dei por mim com bichos carpinteiros a não parar um segundo, porque o tempo custa mais a passar se ficar parada, dizem. E comprovo.

Permaneço crente neste pedaço de terra no Pacífico. Crente de que daqui a uns meses o mundo entrará num processo de cura. Crente de que a proliferação de dor já passara, pertencendo à história, do mundo e de cada um de nós.

Uns dias abraço o meu coração e digo para ele: és a minha casa. E digo para mim: encontra mais conforto e amor dentro de ti neste ensejo delicado. E digo para o mundo: não me deixes aqui sozinha.

Outros dias sorrio para o sol, que entra envergonhado e sem pedir licença pelas janelas da sala. Agradeço ter uma casa, ter uma vida, ter apoio de um governo que não é meu, mas que cuida de mim.

Os sinos não tocam nas igrejas. O assobio do vento característico de Wellington abrandou. A nossa vida foi colocada em pausa. Uma intermitência entre vida e morte figurada que nos leva a beliscar a realidade, o físico. Uma intermitência que nos permitiu tomar tempo a uma vida non stop. Ora que bom. Uma intermitência que nos roubou liberdade. Ora que atrevimento.

Sou obrigada a viver o presente. Eu, que nas minha meditações me quero transportar para o momento presente, agora não há como escapar. Num status de vida incerto, não faço planos para lá do amanhã. Não sei quando voltarei a abraçar o sangue do meu sangue. Colocamos em pausa a sede de futuro. Não vislumbramos qualquer oásis. Nem miragem. Nem algo que se pareça.

Descanso-me acreditando que vai ficar tudo bem. [A crença, sempre a crença.] A esperança é o nosso fado. Corre nas veias portuguesas desde tenra idade. Afortunados por termos esperança e vida em nós desde os tempos áureos do nosso cordão umbilical.

Fecha os olhos, sente e agradece teres tempo.

Fecha os olhos, sente e agradece teres uma casa.

Fecha os olhos, sente e agradece teres corpo, mente e alma saudáveis.

Fecha os olhos, sente e agradece. Simplesmente agradece a sorte que tens.


Voltamos a encontrar-nos em breve.

Obrigada.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s